Tiago Gouvêa

Blog

Coisas legais que realizei e aprendi em 2017

Coisas legais que realizei e aprendi em 2017

2017 foi um ano intenso! Realizei e aprendi muitas coisas interessantes e resolvi fazer esta lista. Seguindo o que tinha feito em 2015, também escrevi outro post “Melhores (e piores) produtos e serviços de 2017“, que você pode ler depois.

Realizei

App Masters

Abri uma nova empresa este ano, totalmente focada no desenvolvimento de aplicativos, é a App Masters. Abrir (e manter) uma empresa no Brasil não é brincadeira, mas encarei o desafio e aqui estou. Na App Masters encarei vários desafios este ano, um dos primeiros deles; montar a equipe. Contratar gente é difícil, eu sou muito criterioso com quem admito e faço questão que o time tenha uma boa sintonia, e assim foi feito. Mas rolou até hackathon na App Masters este ano. 🙂

Outro grande desafio foi desenvolver projetos “fora da zona de conforto“, usando linguagens, metodologias e ferramentas completamente novas pra mim. Precisei aprender muito! Para 2018 ainda não sei quais serão nossos objetivos, só sei que serão bem maiores do que fizemos até agora.

Aprender programação em 20 horas

 Ha anos eu vinha pensando em uma forma diferente de ensinar programação. Algo que tivesse um alcance maior, que permitisse a qualquer leigo deixar de apenas consumir tecnologia, e pudesse passar a produzi-la também. Em 2016 consegui achar as últimas respostas  que eu buscava, e assim “fechei” o modelo desta metodologia.Em outubro de 2016 abri uma turma BETA com 40 pessoas, em um BETA, para validar a metodologia. Ao longo do conteúdo fui ajustando o modelo de acordo com o feedback dos participantes e o resultado foi bem positivo.

No começo deste ano abri as inscrições para o público em geral e tem sido incrível! Ver as pessoas aprendendo a lidar com códigos, perdendo seus medos e se tornando mais confiantes com a tecnologia é genial. E você, que tal aprender programação em 20 horas?

Zero40 ecossistema empreendedor

Uns anos atrás eu convidei vários players da cidade; prefeitura, universidade, sebrae, comunidades e alguns empreendedores para tentarmos criar uma organização entre nós, que conseguíssemos ter uma rede de quem “realiza” em Juiz de Fora. Não deu certo. Não consegui tocar a ideia e as pessoas não se motivaram o suficiente.

Este ano essa ideia ressurgiu, através da iniciativa de outras pessoas, mas desta vez todos estavam cientes da importância e suficientemente interessados em fazer acontecer. Dai surgiu o Zero40 que é uma rede que busca ligar investidores, empreendedores, desenvolvedores, incubadoras,  aceleradoras e órgãos públicos para criação de novos negócios ou aceleração dos já existentes. Ainda estamos começando e nos organizando, mas já atraindo muita atenção e interesse de várias esferas. O Zero40 é um ecossistema. Espero no ano que vem poder realizar nossos planos e começarmos a ter números de resultados alcançados, para apresentar.

Campus Party

Este ano palestrei em duas Campus Parties! Na Campus Night em Juiz de Fora, e na Campus Party MG. Na Campus Night falei sobre o Zero40, que o ecossistema que estamos começando aqui na cidade. Já na edição maior em BH, apresentei Como tirar sua ideia de app do papel e o feedback foi muito legal!

Ao todo palestrei seis vezes na Campus Party e isso me deixa todo orgulhoso. Fiquei feliz também em saber que coisas que aconteceram na primeira Campus Party de MG, tiveram grandes resultados depois, um exemplo é o João Gabriel, que se motivou a partir de uma roda de conversa e hoje incentiva outros jovens a aprender, empreender e a crescer.

Eventos, palestras, hackathons e participações

Palestrei em quase todas as faculdades de Juiz de Fora este ano, ora pelo GDG, ora Zero40, ora por mim mesmo. Fiz parte da banca avaliadora de dois hackathons, um na faculdade Granbery e outro da Indústria 4.0 realizado pelo Sebrae. Fui também da banca do projeto Empreenda em ação onde estudantes criaram novos negócios altamente viáveis e rentáveis.

Mas foi tão corrido que nem consegui registrar todos os eventos e organizar em algum lugar. No meu perfil do instragram mandei tudo em tempo real. mas o importante é que aprendi bastante, pude compartilhar um pouco do que tenho vivido e também motivar os mais novos.

Bitcoin e crypto moedas

Neste ano termos como Bitcoin, Ethereum, IOTA, Monero, Omisego passaram a ser comuns. São crypto moedas que comecei a negociar, comprar e vender, e fazer um bom lucro extra! O que se lucra em uma semana destes ativos é mais que um ano de CDI, dois de poupança. Não é exagero e se você ainda não sabe disto, está realmente desinformado. Conhecer melhor o blockchain, entender como o mercado oscila e estudar um pouco sobre análise técnica foi algo que me agregou este ano.

A plataforma que tenho usado para operar é a iqOption, que uso tanto pelo celular quanto pelo desktop, com uma interface simples e objetiva.

Transmissão ao vivo: Como conseguir meu primeiro emprego

Semanalmente pelo instagram e facebook

Participe online, ao vivo e sem pagar nada! 🙂

Uma ótima oportunidade pra você saber as dicas iniciais e enviar suas perguntas!
Informe seu email abaixo e seja avisado dos dias e horários.

Aprendi

Além de movimentar estas coisas, estou sempre aprendendo. Vivo de programação e é o que faço na maior parte do tempo, é o que gosto de fazer. Neste ano pude aprender e utilizar muitas coisas novas e então, listo as principais aqui.

JavaScript

Esse foi o ano do JavaScript! O primeiro script que fiz com JavaScript, que me lembro, foi em 1997. É! Foi 20 anos atrás! Mas em 2015 percebi que na verdade eu não sabia JavaScript. Sempre estava copiando e colando partes de códigos e usando bibliotecas pra facilitar a interação. Dai botei como objetivo APRENDER MESMO JavaScript, e acredito que consegui cumprir o objetivo.

JavaScript é muito grande! Tem um universo inteiro ali dentro… dá pra fazer web, mobile (hibrido e nativo), server side e até hardware dá pra integrar com JavaScript. Se eu tivesse que esquecer tudo que sei, e começar a aprender a programar do zero, eu aprenderia apenas o JavaScript.

Junto com o JS, aprendi sobre npm, webpack, babel, less, sass, redux e mais um monte de ferramentas, tecnologias e metodologias bem interessantes!

Arrisco dizer que fiquei 95% do meu tempo programando com JavaScript em 2017. Seja para Node ou React.

Node, express

Quando o primeiro time da App Masters estava montado, sentamos um dia para definir o que usaríamos como backend, quando precisássemos. PHP, Python, Ruby, C#…? Optamos pelo node. Principalmente por ser JavaScript, que é a linguagem que mais usamos na empresa e assim tudo ficaria mais simples.

Puxei o barco pra entender como a coisa funciona e de lá pra cá aprendi muita coisa sobre ele, fiz algumas bibliotecas pra node, express e mongo também, para tornar nossos dias mais fáceis.

MongoDb

Já tinha usado em um projeto com PHP anos atrás, mas apenas como cache de dados.. nunca como o banco de dados principal. Mas este ano, os projetos que fizemos na App Masters até agora, todos estão usando o MongDb como armazenamento. Tenho muito o que aprender ainda (principalmente aggregate) mas tem sido bem proveitoso, e é um conhecimento a mais “pra conta”.

Postman

Me salvou a vida muitas vezes nos últimos anos… é uma ferramenta essencial para qualquer desenvolvedor que implementa ou consome APIs. Este ano ela se superou pra mim, quando pude incluir o time e usarmos coleções compartilhadas, dai todo mundo consegue construir as APIs e consumir, sem dor de cabeça.

React

Desenvolvi alguns projetos com React em 2016 e em 2017 esse número foi bem maior. Ainda em 2016 demorei um tempo pra pegar o ritmo e entender bem como organizar os componentes e códigos, mas quando peguei o jeito, foi muito bom! O React dá muita produtividade, tanto pra web quanto para mobile. Você senta, programa e vê resultado!

Material Ui

Foi um achado em 2016 e facilitou demais nossa vida em 2017, porque faz produzir interfaces com velocidade. Com ele ficou muito fácil criar views complexas com material design, pra web/mobile, sem ter que reinventar a roda a todo tempo.

Testes unitário

Sempre fui resistente ao testes… tentei algumas vezes aderir, mas nunca emplaquei. Usava um ou dois casos bem no começo de algo e depois abandonada, nem lembrava mais deles. Este ano fizemos alguns projetos, onde seguimos caminhos totalmente novos, o que causou muito stress com códigos que, quando modificados, alteram o comportamento do projeto inteiro. Em um evento em São Paulo (React Conf) vi uma palestra do Fernando Daciuk sobre Jest e me motivei a tentar novamente, e, foi muito bom! Estou usando principalmente em bibliotecas que desenvolvo para uso nos projetos da App Masters, reduzindo assim os imprevistos e facilitando criar códigos novos e mais seguros.

Git / GitLab CI

Optamos na App Master por usar o GitLab e tem sido uma boa escolha. O que aprendi ali que mais tem sido útil foi lidar com a Integração Continua, que nos permite, assim que um código é “comitado e mergeado”, já estar disponível o sistema para os clientes em um servidor de testes. Ou, apenas ter uma API de development sempre disponível online.. quando tudo está pronto, “mergeamos” para staging e então master, e pronto, o sistema do cliente online está atualizado para nossa nova versão. Isso me reduziu horas de testes e verificações, fazendo deploy manualmente. A CI do GitLab tem sido incrivelmente útil na App Masters.

Blog

A verdade é que de cinco posts que escrevo, apenas um eu publico… sou muito chato com isso, vou escrevendo e pensando se vou publicar ou não, se tem a ver ou não com alguma outra coisa que estou falando… e assim acabo tendo no máximo um ou dois posts por mês. Tenho muita coisa escrita e não publicada.

Mas de 2015 para hoje triplicou o volume de acesso no blog. De primeiro de janeiro até 25 de novembro deste ano tive 180 mil acessos. Mas os números não são os mais importantes. O resultado disso foram conexões novas, muita informação útil sendo criada (tomara que sim) e até um grupo de whatsapp para quem está aprendendo a programar.

O bom volume de visitas acontece porque 100% do meu conteúdo é original, próprio, e a gente sabe que o Google gosta disso.

Enfim

2017 foi realmente um ano muito bom pra mim. Além de todo esse rolê ai de cima, conheci muita gente interessante, gente inteligente e gente que pega pra fazer e faz. Pude inspirar ou outros e me inspirar também vendo coisas legais acontecendo ao redor.

Que em 2018 seja ainda muito melhor, pra mim e pra você!!

E você, aprendeu e realizou o que em 2017? Comente ai!

 
 

Classificado como: Posts Pessoais

Participar comentando (0) →

Deixe seu comentário